sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Querido John - Nicholas Sparks

"Sem preconceito!" É o que pensei do momento que comprei e do que comecei a ler Querido John, até então não tinha lido nenhum romance do tipo, e Nicholas Sparks realmente sabe criar uma estória.

Antes de comentar a estória em si, gostaria de falar um pouco sobre como me senti diversas vezes inserido em alguns cenários que eram citados no livro. Ver uma praia, um local chuvoso, o campo, ou até o interior de um restaurante pode ser fácil, mas o senhor Sparks fez que eu visse com mais facilidade, talvez a forma de ele descrever não seja tão chata.

Longe de poder ter autoridade de falar de clichês de romances, mas realmente não me senti desconfortável lendo Querido John (às vezes eu escondia a capa, mas, quem nunca?), como já falei, a fluidez da escrita e do decorrer da estória, permitiam que vários parágrafos fossem gastos com descrições de cenas, cenários ou até mesmo dos personagens sem serem chatos e monótonos.

E sim, eu admito, realmente fiquei torcendo pelos dois do começo ao fim, mas como poderia torcer contra? A estória deles é incrível, ambos se transformaram muito durante todo o livro, parecia que cada vez mais o destino queria separá-los. Descrever os personagens pode ser até um pouco de spoiler, mas eu gostei muito do carinho que a Savannah tem por todos, sabe, é aquele tipo de pessoa que se importa com todos, e fazer os outros um pouquinho feliz a faz ficar feliz também.

Para aqueles que querem começar a leitura de um romance, talvez seja interessante começar por esse livro, como falei, não tenho muita autoridade para falar de romances, mas o nível de clichê não é tão grande, então, talvez você possa abandonar um pouco o preconceito e começar a ler Nicholas Sparks, e sim, assim que tiver oportunidade, estarei lendo outro livro do autor.

Sem spoilers, mas realmente não entendi o final, quero continuação ou algo do tipo (entendedores entenderão).

Uma dica, não pesquise muito sobre o livro antes de lê-lo, lembre-se que o John é do exército, ele se comunica muito por cartas e o "Querido John" (Dear John) pode ser algo mais do que o início de uma carta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário