sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Querido John - Nicholas Sparks

"Sem preconceito!" É o que pensei do momento que comprei e do que comecei a ler Querido John, até então não tinha lido nenhum romance do tipo, e Nicholas Sparks realmente sabe criar uma estória.

Antes de comentar a estória em si, gostaria de falar um pouco sobre como me senti diversas vezes inserido em alguns cenários que eram citados no livro. Ver uma praia, um local chuvoso, o campo, ou até o interior de um restaurante pode ser fácil, mas o senhor Sparks fez que eu visse com mais facilidade, talvez a forma de ele descrever não seja tão chata.

Longe de poder ter autoridade de falar de clichês de romances, mas realmente não me senti desconfortável lendo Querido John (às vezes eu escondia a capa, mas, quem nunca?), como já falei, a fluidez da escrita e do decorrer da estória, permitiam que vários parágrafos fossem gastos com descrições de cenas, cenários ou até mesmo dos personagens sem serem chatos e monótonos.

E sim, eu admito, realmente fiquei torcendo pelos dois do começo ao fim, mas como poderia torcer contra? A estória deles é incrível, ambos se transformaram muito durante todo o livro, parecia que cada vez mais o destino queria separá-los. Descrever os personagens pode ser até um pouco de spoiler, mas eu gostei muito do carinho que a Savannah tem por todos, sabe, é aquele tipo de pessoa que se importa com todos, e fazer os outros um pouquinho feliz a faz ficar feliz também.

Para aqueles que querem começar a leitura de um romance, talvez seja interessante começar por esse livro, como falei, não tenho muita autoridade para falar de romances, mas o nível de clichê não é tão grande, então, talvez você possa abandonar um pouco o preconceito e começar a ler Nicholas Sparks, e sim, assim que tiver oportunidade, estarei lendo outro livro do autor.

Sem spoilers, mas realmente não entendi o final, quero continuação ou algo do tipo (entendedores entenderão).

Uma dica, não pesquise muito sobre o livro antes de lê-lo, lembre-se que o John é do exército, ele se comunica muito por cartas e o "Querido John" (Dear John) pode ser algo mais do que o início de uma carta.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O Jovem Sherlock Holmes: Nuvem da Morte - Andrew Lane

Fiquei com um pé atrás quando vi que existia uma série de livros que falava de um jovem Sherlock Holmes, e que ainda por cima não tinha sido escrito por Conan Doyle, como faz pra descobrir se é bom? Lemos.

Quando iniciei a leitura, um certo preconceito brotou, mas foi sumindo a medida que as referências a um passado que realmente poderia ter sido vivido pelo personagem foram surgindo, não vemos um adolescente chato, ou um Sherlock Holmes metido a esperto, vemos uma criança que entrou na adolescência, que está longe da família e se sente inseguro, e que está começando a desenvolver suas habilidades.


Sobre os personagens, existem vários parentes do cânon que são citados na estória, e também outros que não conhecia, ou que pelo menos não tenho certeza de serem originais de Doyle, mas que são importantes e essenciais para o bom desenvolvimento da estória.


As coisas começam a ficar melhores cada vez mais quando o personagem vai se desenvolvendo e o autor vai ampliando seu campo de narração, Andrew Lane usa e abusa das possibilidades que a Inglaterra pode dar para uma aventura, sejam embarcações ou o que o subterrâneo tem de mais assustador, ele vai citar detalhes que vão fazer que o livro realmente vire um filme na sua cabeça.

Para quem gosta do personagem, indico a leitura, talvez Conan Doyle não teria desenvolvido o passado de Sherlock Holmes desse jeito, mas é uma boa versão do que poderia ter sido escrito, tudo se liga corretamente com a época, com o que é realmente oficial aos escritos do criador do detetive mais famoso da literatura.

Quero ler a continuação que já está na espera, quero a coleção toda, quero algo tão bem desenvolvido quanto este livro. Nota 10!

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Um Gato Entre Os Pombos - Agatha Christie


Não tenho como começar a falar sobre um livro da Agatha Christie sem falar como ela arrasa na escrita e como o enredo te envolve, pois é, já falei.


Dessa vez temos espionagem, assassinatos e mistério internacional dentro de uma escola para meninas bastante conceituada na Inglaterra, tudo isso além da indecisão da diretora que está pensando seriamente em se aposentar, mas se caso faça isso, quem será a melhor escolha para comandar a escola?

Este livro conta com um pouco menos de Poirot em comparação ao Morte nas Nuvens, mas o detetive belga vai ser bastante esperto na hora necessária.

Não posso negar que talvez o assassino seja um pouco evidente, que a estória fique cambaleando para o clichê, mas Agatha Christie consegue nos colocar dentro da estoria e ver o universo do mistério tão nítido, por isso recomendo o livro para quem gosta de mistério, problemas internacionais e coisas do tipo.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Eu me chamo Antônio - Pedro Gabriel

Talvez eu tenha sido um pouco relutante quanto a ler este livro, pois passei um bom tempo ouvindo falar (na verdade acompanhando na internet) da página do facebook que postava fotos de guardanapos rabiscados, mas foi depois de eu ter conhecido a história do Pedro Gabriel e lido algumas das "obras" dele, que a vontade de ler o livro começou a surgir.

Para quem já conhece a página, o livro não foge muito da mesma linha, fotos de paisagens, rabiscos e desenhos, no final uma frase legal sobre várias situações da vida, por isso o livro é dividido em alguns "capítulos". Na internet eu sempre apelo para as legendas que acompanham as fotos, pois muitas vezes parece que ele está muito animado na hora e a caligrafia ou como ele desenha certas palavras fica mais difícil de compreender a frase, no livro é a mesma coisa, mas para o meu alívio colocaram uma lista com as frases transcritas e enumeradas, para caso haja aquela necessidade de consultar algo que não está tão bem legível.

A leitura pode ser rápida, e para mim realmente foi, intercalei ele com outros livros, dava uma pausa e lia algumas páginas, depois voltava para o outro livro, talvez tenha terminado ele em dois dias. Até penso em refazer a leitura de forma dinâmica, ou seja, ler uma frase ou outra fora de ordem e sem pressa, pois realmente são frases lindas e que não precisam ser lidas em ordem e rapidamente para serem compreendidas.

Talvez você tenha certo preconceito como eu tive, pagar mais de 20 reais num livro de 192 páginas cheio de rabiscos? Vale muito a pena! O livro é lindo, o material utilizado é lindo, e.. vá comprar esse livro de uma vez, LOGO!

Ainda espero que nos futuros projetos do Pedro Gabriel esteja desenvolver uma estória para o personagem Antônio.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Os Pinguins do Sr. Popper - Richard e Florence Atwater

O Sr. Popper é um pintor e durante o inverno fica trancafiado dentro de casa lendo sobre os pólos, os animais que o habitam e tudo mais, ele já faz isso durante o ano todo, mas aproveita essas "férias" para aumentar mais ainda seus conhecimentos.


A estória se passa numa cidade do interior dos Estados Unidos a muitos anos atrás, acreditem, o Sr. Popper chegou a escutar seu nome sendo falado nas transmissões de uma expedição via ondas curtas, nessa transmissão o Almirante diz que o Sr. Popper irá receber um presente.


E desse presente é que começa a aventura, várias cenas hilárias ocorrem durante o livro mostrando ele e seus pinguins.

Certos acontecimentos são inacreditáveis, tipo transformar a sua geladeira em uma casa de pinguim? Passar meses sem trabalhar? Mas é apenas um livro infantil, ou seja, não espere um enredo bem desenvolvido, espere estórias simples, fácil de entender e divertidas, ele possui gravuras e a estória é bem curtinha, apenas 144 páginas, a leitura é rápida e gostosa, dá para ler em um dia.